Bem vindos ao meu espaço

Após algum tempo a navegar neste mundo de blogosferas, dei por mim ai e ali a escrever o que se pensa aqui… resolvi então criar o "Coffee Break e 3 linhas de conversa", o lado mais dia-a-dia, o lado mais soft, talvez o lado mais “santo” de Santo&Pecador. Serve este blogue, como o próprio nome o diz, para fazer uma pausa e escrever 2 ou 3 linhas sobre aqueles pensamentos, ideias e momentos (bons, maus ou mesmo aqueles assim-assim) que nos surgem durante o dia ou da noite. Vou tentar assim com as vossas opiniões e com algumas, saudáveis, discussões que por aqui vão ficando, tentar enriquecer e melhorar o meu padrão de vida e algo mais…



Logo estão todos convidados para um Coffee Break e 3 linhas de conversa,

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Jantar & Amigos


O prazer de um excelente jantar com amigos, só está ao alcance da qualidade desses mesmos. Eternizar aquele final de tarde e principio de noite, quando o sangue já escasseia no meio do álcool, com as gargalhadas e histórias repetidas pela milésima vez, saboreadas como se nunca tivessem sido ouvidas, eliminando as tristezas e angústias que possam existir, são momentos ímpares.
Aquela ultima garrafa de tinto que faz parar o tempo e nos coloca numa indiferença perfeitamente compreensível, que nos faz rir, chorar, abraçar e beijar com todo o tipo de carinho permitido entre verdadeiros amigos, é dos sentimentos mais sublimes que eu posso ter.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

O Escritor


Porque hoje alguém me perguntou a razão pela qual eu escrevia, deixo aqui um texto que escrevi há uns tempos:

"
Quem escreve sabe que o escritor se esconde e se mostra no meio das suas palavras, nas entrelinhas. Faz delas o seu abrigo, o refúgio onde agasalha a nudez da sua própria alma. Na divagação do que passa para o papel, assume papéis do que é, e vive, do que gostaria e sonha ser. Encarna pessoas, finge ser o outro, finge falar do outro, baptiza personagens, mistura estados de espíritos e personalidades que conhece e admira, ou mesmo seres que venera.
Ao escritor é permitido escrever sobre qualquer coisa, em qualquer lugar e na companhia do que desejar. Pode escrever sobre amor no meio de uma catástrofe acompanhado pelas labaredas de um fogo homicida, sobre um desgosto numa casa na montanha acompanhado dos flocos de neve que pintam de branco a paisagem existente.
Escreve sobre tudo e sobre o nada, sobre um copo que se esvazia ou uma vela que se acende. O escritor vive duas vezes, o que sente e captura nos detalhes que passam a todos despercebidos e depois quando os conduz para o papel, dando-lhe o seu toque pessoal, o seu ADN, transportando toda a sua emoção e sentimento nas palavras e nas frases que regista.
O escritor observa o mundo á sua volta em slowmotion, provoca diálogos, questiona certezas e dúvidas, aprofunda sentimentos, mergulha nas emoções e nos enigmas de quem o rodeia na pesquisa de detalhes para a sua história, na busca da inspiração para o enredo, na procura da paixão para o seu romance ou poesia, reportando no papel as suas vivências, sonhos e fantasias e por vezes vivências, sonhos e fantasias de outros que tanto o estimularam.
Neste jogo de cores, entre o branco do papel e o preto da tinta, o escritor deixa, sempre, escapar um pouco de si em cada linha, em cada vírgula ou pausa, em cada ponto final ou parágrafo."

domingo, 21 de agosto de 2011

Se existe...


Se existe opção
Boa e má
Se existe história
Verdade e falsa
Se existe razão
Certa e errada
Se existe querer
Muito e pouco
Se existe lutar
Perder e ganhar
Se existe céu
Sol e lua
Se existe cor
Clara e escura
Se existe destino
Azar e sorte
Se existe momento
Junto e só
Se existe sentir
Ódio e amor
Se existe tempo
Antes e depois
Se existe limite
Tudo e nada
Se existe vida
Inicio e fim
Se existe tudo
Sonho e real
Existe nós
Eu e tu

Existências que se conquistam.





A intensidade e cumplicidade antes do sentimento, são existências que se conquistam, não acontecem de uma hora para a outra e não as descobrimos antes do fim do dia.
Precisamos de nos encontrar, contrariar alguns ventos do norte e nas tempestades que nos surjam, caminhar na sombra da chuva* e esperar para ver o que de melhor o outro tem para nos dar, assim como o que de melhor temos para lhe dar e esperar que o tempo nos desvende a razão pela qual nos colocou na mesma estrada e nos diga se, progredimos no mesmo sentido ou no sentido oposto.


* "caminhar na sombra da chuva" - expressão "roubada" do livro da minha querida amiga Margarida

Stranger


O que dizer do que nunca tive?
Uma paixão que caiu antes de se erguer
Um sonho sonhado, mas não tocado
Uma flor que brotou sem nascer
Uma mão que se estende mas não me assiste
Uma janela que se fechou e não se abriu mais.
Uma realidade que desconheço, mas que sei que existe.
Recordar sensações imaginadas, mas reais.

Recordar o quê?
Se aqueles lábios não provaram os meus lábios.
Se carícias não foram dadas, nem sussurros trocados.
Se conversas foram cortadas e sorrisos imaginados.

O que posso eu fazer?
Se o mais ardente dos desejos, ficou na imaginação.
Se o mais puro e belo encanto ficou no coração.
Se os momentos a dois não passou de uma nossa criação.

Apenas no meu sonho tu te fizeste ver
Pois na verdade serás sempre Stranger

sábado, 20 de agosto de 2011

Espontaneidade agregada à qualidade

Mala Vida cover by Nouvelle Vague, Mareva Galanter & Liset Aléa, enquanto esperavam no Aeroporto de Paris...




Quando se transpira qualidade musical e se ama o que se faz, as coisas simplesmente acontecem de uma forma natural, a qualquer hora e em qualquer local… e sai perfeito.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Encruzilhada



A vida é uma encruzilhada em que a escolha do caminho a seguir é o primeiro passo para uma incerteza…

O principio de,
ou o fim de…

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

sábado, 6 de agosto de 2011

Amor



" O amor é como uma carta encriptada, poucos o descodificam e mesmo os que conseguem nunca estão seguros de estarem correctos."

by Jorge Silva in "Um diálogo no escuro"