Bem vindos ao meu espaço

Após algum tempo a navegar neste mundo de blogosferas, dei por mim ai e ali a escrever o que se pensa aqui… resolvi então criar o "Coffee Break e 3 linhas de conversa", o lado mais dia-a-dia, o lado mais soft, talvez o lado mais “santo” de Santo&Pecador. Serve este blogue, como o próprio nome o diz, para fazer uma pausa e escrever 2 ou 3 linhas sobre aqueles pensamentos, ideias e momentos (bons, maus ou mesmo aqueles assim-assim) que nos surgem durante o dia ou da noite. Vou tentar assim com as vossas opiniões e com algumas, saudáveis, discussões que por aqui vão ficando, tentar enriquecer e melhorar o meu padrão de vida e algo mais…



Logo estão todos convidados para um Coffee Break e 3 linhas de conversa,

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Vidas




Todos os dias acordamos, perdemos o mesmo tempo nas mesmas rotinas diárias, percorremos os mesmos percursos, lidamos com as mesmas pessoas, almoçamos no mesmo local e repetimos mais um interminável número de “mesmos” ao que chamamos viver. Acomodamo-nos a esta nossa hipnose de sobrevivência, convencidos que é viver.
Esporadicamente e em alguns momentos do nosso viver, como por exemplo, quando nos juntamos com verdadeiros amigos para um jantar, conseguimos nos libertar da máscara, que insistimos em usar todos os dias, para mostrar ao mundo a imagem que criamos para esse, mesmo mundo ver. Teimamos em esconder o nosso verdadeiro eu e continuar a sobreviver no palco do teatro que montamos.
No entanto existem momentos mágicos, em que dizemos as maiores parvoíces e rimos de nós próprios, sem medo da crítica, sem sequer pensarmos no que é dito. Sentimos, simplesmente o sabor de falar sem pensar, sem sentir a pressão dos “juízes” que diariamente temos ao nosso redor. Saber que não existem consequências graves nas parvoíces que dissemos, porque sabemos que quem nos ouve, nos conhece, respeita e gosta de nós tal e qual como somos. Ama-nos as qualidades e os defeitos, ama-nos todo o nosso eu.
Temos rasgos de um sabor único da vida, com o sorriso dos nossos filhos ou com a música que sai da voz deles, onde vamos buscar forças e coragem para tudo. São eles que nos fazem resistir a tudo, é por eles que ultrapassamos obstáculos nunca antes passados, são eles, sem dúvida, a maior razão do nosso viver.
Depois surgem aqueles momentos de interferência com outras vidas, onde nos apercebemos que existem mais vidas como a nossa, mais vidas que tem o mesmo viver que o nosso, a mesma sobrevivência, a mesma vontade de sonhar, agarrados a outras vidas idênticas às que estão agregadas a nós.
Na amplitude desse momento, do cruzamento das nossas vidas com o conhecimento dessas outras vidas, em que nos questionamos sobre a possibilidade, de unir a nossa vida a uma vida dessas que vive, por vezes distante, num universo diferente, mas num viver em tudo paralelo ao nosso. Perguntamo-nos se o unir destas duas vidas, não seria o unificar de dois sonhos em tudo iguais, num só. Libertávamo-nos das vidas que nos aprisionam o sonhar, que nos limitam o viver atirando-nos para a nossa simples e humilde existência.
Duvidamos se não estaremos a trocar uma rotina por outra.
É verdade!
No entanto não sabemos. Só saberemos a resposta se tentarmos conhecer essas vidas, trocar ideias, palavras, escutar os seus problemas também, sentir os seus sonhos, viver as suas alegrias e perceber se em tudo são harmonizáveis com os nossos sonhos e o nosso sentir.
Depois vamos viver, apaixonarmo-nos todos os dias, não ter medo de nos fartar, não ter vergonha de nos amar, de não esquecer de nos beijarmos todos os dias, não passar para segundo plano o tempo de nos amimar, de entender que temos de dizer que nos amamos quando queremos e nos apetece, mostrar o nosso agrado e a nossa satisfação quando os recebemos, contribuído assim diariamente para continuarmos apaixonados e fazer das nossas vidas, a nossa vida!

10 comentários:

MiM disse...

É verdade, tens toda a razão. Mas... mas... nem sempre é fácil.
E sim, muitos de nós não vive, sobrevive. O que é muito diferente e na maioria das vezes, é triste. Há pelo menos músicas que nos sacodem e nos fazem levantar.

1 beijo.

Também gostei dos Nouvelle Vague. Sabes que gosto. Boa escolha!

Moi disse...

Reler este texto, fez-me voltar ao passado... :)



E nem sempre os cruzamentos que fazemos são os mais acertados, mas pelo menos tenta-se, e vive-se o momento! E lá se vai mais um pedaço do presente transformado em passado.



Venham mais cruzamentos no futuro!



Fica bem!
Sabes que gosto de ti! :)
Sê feliz, sempre!




Beijos

Moonlight disse...

Meu amigo...

Realmente...limitamo-nos a sobreviver dizendo que vamos vivendo...é triste.È sem duvida o passar dos dias repetidos,os "mesmos"...ás vezes questiono-me se valerá a pena...sobreviver?Depois olho nos olhos da minha filha e vejo que tudo vale a pena.
Engraçado....noutro dia por causa de uma ratazana que ela e os coleguinhas viram morta na escola e a que a professora resolveu fazer o funeral.Ela á noite questionou-me no fim da sua conversa;O mamã para que vivemos ?Se naccemos...passamos um tempo,e depois morremos...?Fez-me confusão,mas dismitifiquei a questão.
Mas realmente amigo isto aqui não passa de uma sobrevivencia,se calhar por culpa nossa!
Mas o ser-se assim simples e verdadeiro(com tu és)é muito raro.
E na vida,no dia a dia se nunca deixassemos o Amor para tras talvez pudessemos viver verdadeiramente.Mas para isso tinham de ser dois seres muitos parecidos...para se entenderem assim na prefeição.E isso só acontece esporadicamente no planeta!
Ena pá que grande testamento tu levas-te hoje:))))pois é...quem me manda a mim ficar afastada de conversinhas:)))))

Bjinho cheio de luar

Anónimo disse...

Ouse, ouse... ouse tudo!!
Não tenha necessidade de nada!
Não tente adequar sua vida a modelos, nem queira você mesmo ser um modelo para ninguém.
Acredite: a vida lhe dará poucos presentes.
Se você quer uma vida, aprenda... a roubá-la!
Ouse, ouse tudo! Seja na vida o que você é, aconteça o que acontecer.
Não defenda nenhum princípio, mas algo de bem mais maravilhoso: algo que está em nós e que queima como o fogo da vida!

Lou Andreas - Salomé

Tão simples quanto isto!

CoisasDaGaja disse...

"Todos os dias acordamos, perdemos o mesmo tempo nas mesmas rotinas diárias, percorremos os mesmos percursos, lidamos com as mesmas pessoas, almoçamos no mesmo local e repetimos mais um interminável número de “mesmos” ao que chamamos viver. Acomodamo-nos a esta nossa hipnose de sobrevivência, convencidos que é viver." Felizmente não me identifico nadinha com este teu parágrafo :))

Beijinho

Santo&Pecador disse...

Mim,
Amiga já te deste conta de tudo o que é bom, não é fácil…
Podemos cair muitas uma vez, duas, três, muitas e outra ainda, que vamos sempre cair vivendo. Não vamos evitar as quedas sobrevivendo. Como ontem uma amiga me disse a Vida é uma ida sem V de volta.
Quando ouvimos uma música e ela nos faz levantar, é porque ela no leu a alma.
Nouvelle Vague é óptimo e sim eu sei que gostas.

Beijo!

Santo&Pecador disse...

Moi,
Já lá vai um bom pedaço de tempo que o escrevi e hoje se o voltasse a escrever não lhe mudava uma letra.
A vida é isso, é a soma desses pedaços de tempo.

Também gosto de ti, amiga.
Temos que combinar outro almoço com as Bonnies… hehehehe ;)

Beijo!

Santo&Pecador disse...

Moonlight,
Eu acredito que vivemos para aprendermos a ser uma pessoa melhor, para…quiçá, uma próxima vida.
Já uma vez tive a oportunidade de ter uma longa e boa conversa contigo, sobre este tema. Na altura expliquei-te o meu ponto de vista e não concordei muito com o teu. Espero que a tua opinião tenha mudado. :-)
… como disseste, já há muito que não apareces, não falamos.

Beijinho para ti e para a filhota.

Santo&Pecador disse...

Anónimo,
Ousar, arriscar, tentar, afoitar, decidir, ir… sim, acredita que o faço. Faço-o quando acredito que é aquilo que quero, que é por ali o caminho, o meu caminho…um caminho que alem de ser meu, acredito que possa ser um caminho “nosso”.
Acredita, também, que não adequo a modelos nem tão pouco procuro ser modelo para ninguém. Excepção talvez para os meus filhos, que procuro ser um exemplo para eles, não direi seguirem, mas um dia poderem se orgulhar do pai.
Uma vida não se rouba, conquista-se…e como? Com a nossa vida. Eu apresento-te a minha vida na esperança da tua se moldar à minha e vice-versa.
No fundo, o que interessa é estarmos bem e sentirmo-nos felizes.
Se eu sentir que a felicidade é pela esquerda, eu viro à esquerda.
Se for pela direita eu viro à direita.
Se for sentido proibido, eu contorno.
Se não existir sinais, eu vou com cuidado.
Se estiver fechado, eu espero à porta.
Se não se abrir, eu morro tentando ser feliz.

Tão simples, quanto isto! Ser feliz!

Beijo!

Santo&Pecador disse...

Gaja,
Fico realmente feliz, por ti. Mas sabes que por vezes, profissionalmente isso é impossível de descurar. Vamos sempre arranjando forma de rasgar essas rotinas, mas elas acontecem e onde tu te sentes totalmente tu, é no teu mundo, no meio dos teus. Ai é que sentes a vida, ai é que vives plenamente e de uma forma super despreocupada.

Beijo!